Caminhar na humildade é viver na verdade

BLOG

Caminhar na humildade é viver na verdade

Postado em 17/01/2017

Meus irmãos e minhas irmãs, povo de Deus aqui reunido, quanta alegria em receber o convite do Frei Sebastião para participar pela primeira vez da novena. Eu já participei do dia da festa e, para mim, é uma alegria estar aqui com vocês para tratar desse tema tão importante para a nossa vida de cristãos. Santa Tereza D’Ávila dizia: “Caminhar na humildade é viver na verdade” Coisa que hoje em dia é algo muito valioso! Encontrar pessoas que vivam verdadeiramente e que não se esconda atrás de máscaras é uma coisa muito rara.
São diversos os motivos que muitas pessoas criam e inventam para poder ganhar proveito para si próprio. Uma vez eu fui em uma missão, fazendo visitas nas casas e, por aí, nós já vamos percebendo como é que a mentira vai entrando na própria casa! Eu bati na porta, apareceu uma garotinha na janela e eu perguntei: “Seus pais estão aí?” Ela disse: “A mamãe mandou dizer que ela não está!” Está vendo! É assim que começa a mentira dentro de casa... A partir dessas pequenas coisas. Talvez não quisesse ser incomodada, mas porque não disse assim: “Diga que não posso atender agora” “Diga que possa vir outro dia”. Mas fica ensinando a criança a mentir: “A mamãe mandou dizer que ela não está.”
É importante que a gente tome consciência disso, porque é um problema que nós estamos vivenciando. O tema geral desta novena é: A plenitude da Lei é o Amor. E toda verdade passa pelo verdadeiro amor. Quando nós amamos verdadeiramente, não tem porque mentir. Quando nós vivenciamos o amor Deus e os seus mandamentos, não tem também porque levar uma vida falsa, enganadora. E esse mandamento que hoje estamos refletindo – Não levantar falso testemunho – é uma coisa impressionante! Porque quando a gente menos espera, ou quando nós estamos em comunidade, ou no trabalho, ou até mesmo no ambiente familiar sempre há algum motivo para que alguma pessoa, algum parente venha nos provocar, nos causando uma tristeza. Porque imagine: quando você não sabe que alguém está levantando falso testemunho contra você ou contra alguém que você gosta, com certeza, nos toca, mexe com a nossa vida. Depois, nós vamos ver que não tem resultado algum!
O ditado já diz: “A mentira tem as pernas curtas!” Por que eu vou levantar falso testemunho contra alguém? Na nossa vida diária estamos repletos de tudo isso. De tantas pessoas, até mesmo de dentro de casa, que nos incomodam. Por que quantas vezes fazem algo ou dizem alguma coisa que nós não dizemos, difamando o nosso nome e a nossa imagem? Coisa que é inconcebível para um cristão! Pensar que alguém que diz que segue a Cristo, vive falando mal, difamando o irmão. Mas pense, se tem uma coisa que dá um sabor na boca de algumas pessoas é difamar a vida do próximo! Basta saber uma novidadezinha que já começa a espalhar e, quando vê, já está mais do que longe! E depois, quando se arrepende, já deve perder até a amizade!
É importante que a gente possa refletir: Será que alguma vez eu já tive essa tentação? Será que alguma vez eu já levantei falso testemunho contra uma pessoa? Eu que digo seguir a Cristo, que quero viver uma fé que me aproxime cada vez mais de Deus e dos irmãos, qual é a minha relação verdadeiramente com Deus? À medida que nós nos relacionamos com Deus, não tem espaço para falsidade, mentiras e enganações na nossa vida.
Outra frase que me chama atenção é a seguinte: “O demônio da oração é a convivência com o meu próximo”. Se você é uma pessoa ignorante, se você é uma pessoa que diz que tem realmente esse encontro com Deus, mas não muda nada na sua vida, você vive para difamar e de saber da vida dos outros, vive mentindo e enganado os outros, que tipo de oração é então a sua? Com certeza não pode ser uma oração verdadeira, porque a oração verdadeira é aquela que transforma a nossa vida. Então se você vive essa tendência, todos nós podemos ter essa tendência, uns mais outros menos, mas nós precisamos, através de uma vigilância constante, estarmos sempre atentos para não nos deixarmos cair nesta fraqueza.
Há uma virtude muito interessante, quando se fala em não levantar falso testemunho, que mais me chama a atenção que é a sinceridade. Você é uma pessoa sincera? Quando foi que você praticou realmente a sinceridade na sua vida? Nós poderíamos aqui elencar três tipos de sinceridade e nós podemos nos perguntar: Eu tenho a sinceridade comigo mesmo? Eu tenho a sinceridade para com as pessoas? Eu tenho a sinceridade para com Deus? Sempre parte de nós, somos nós que devemos dar o primeiro passo para poder vivenciar esse mandamento da lei sagrada de Deus. Quando nós buscamos viver a sinceridade com a nossa própria vida, com certeza, na hora que nós pensarmos em querer falar mal de alguém, difamar alguém, a sinceridade que nós devemos ter conosco, não vai permitir.
Há ainda o respeito, a sinceridade que nós devemos ter para com as pessoas. Nós vivemos em um povo também difícil de a gente encontrar pessoas assim, que não tenham essa necessidade de querer estar falando mal das pessoas. E, sobretudo, a sinceridade para com Deus. Tempos atrás, os cristãos que queriam realmente se aproximar de Deus, uma das coisas que eles mais queriam era agradar a Deus. Tudo que eles fizessem era para poder não ofender a Deus. Eu acredito que uma das coisas que nós devemos procurar fazer para não ofender a Deus é ser sinceros principalmente com Ele. A sinceridade é uma grande virtude e, como toda virtude, não pode deixar a nossa vida diária. Por isso que é a importante a vigilância!
Quando nós ouvimos alguém falar de algum irmão, de alguma coisa, nós devemos ter um pouquinho de caridade, porque se a plenitude da lei é o amor, essa realidade deve influenciar toda nossa vida, uma vez que eu não querendo difamar ninguém, então eu vou guardar pra mim mesmo. Mas tem gente que ama uma notícia e incentiva os outros a falar, para poder depois transmitir. “Qual é a nova de hoje?” “Qual é o babado de hoje?” Aí começa, né! Começa a falar dos padres, depois das freiras, do Papa, depois dos bispos e por aí vai!
É importante que nós possamos ocupar a nossa vida diária com coisas que nos edificam. Basta olhar para a vida dos Santos. Se nós estamos celebrando uma festa tão importante desse grande mártir, São Sebastião, é porque, ainda hoje, depois de tanto tempo, tantos séculos, ele ainda tem muito a nos ensinar. Se ele deu a sua vida por causa da fé, por causa de Cristo, ele tem muito a nos ensinar. Com certeza, o amor que perpassava o seu coração, foi o que lhe deu força e coragem para também entregar a sua vida. E é por isso que nós estamos também aqui hoje, para agradecer por causa de alguém que foi esse grande homem de Deus, que derramando o seu sangue por causa da fé, também nos faça pensar: Será que eu também seria capaz de, nos tempos de hoje, dar a minha vida por causa da fé, por causa de Cristo?
Temos muito o que aprender com a Sagrada Escritura e com a vida de tantos e tantas que, ao longo dessa história de caminhada de fé, vivenciavam e nos convidam também a ter atitudes que transformam a nossa vida. Façamos um propósito: Nós estamos no mês de janeiro, no início deste ano, então se você tem uma coceira na língua, que gosta de falar mal dos outros, que gosta de difamar, vamos fazer esse propósito de reclamar menos, de falar mal dos outros menos – o bom seria que não falasse de jeito nenhum, mas lembremos disso. Como estamos no início do ano, cumpramos esse propósito, para que ele possa nos ajudar a edificar nossa vida cristã e que assim nós não o percamos!
Louvado seja o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo!