Entrevista com Frei Smaley Sarmento, OFMCap

BLOG

Entrevista com Frei Smaley Sarmento, OFMCap

Postado em 12/01/2017

Entrevista com Frei Smaley Sarmento, OFMCap

Qual é a relação do 3º mandamento, hoje celebrado, com a família?
Frei Smaley Sarmento: Deus institui este mandamento justamente para que a Igreja, que é a união dos seus filhos e filhas, se reúna realmente em família. O Domingo é, quanto mandamento, para honrá-lo, para você se voltar para os seus familiares, tanto os sanguíneos quanto os que são na Fé. A importância deste mandamento é para que as famílias possam se reunir não apenas em uma reunião familiar festiva, mas sim para uma reunião com Deus. Daí envolve todos os sacramentos, como o matrimônio, a própria comunhão, o batismo e os demais. Dessa forma, o mandamento engloba tudo isso e é justamente por isso que tem tudo a ver com a família, na qual, sobretudo nos dias de hoje, nem todos os familiares professam a mesma fé ou ainda há aqueles que não professam credo algum. Logo, este mandamento – e nós acreditamos nisso – preserva realmente a família e Deus passa por estas relações familiares. Assim, não se pode dizer que ama a Deus quando não temos cuidado com as relações humanas. Portanto, este é um momento de parada para permitir que Deus adentre e se manifeste nas relações familiares, seja com os irmãos de sangue, seja com os da Fé.
Qual a relação do tema deste dezenário – A plenitude da lei é o amor – com este mandamento?

Frei Smaley Sarmento: Como eu falava no início da reflexão, todos os mandamentos têm o objetivo de salvaguardar essa liberdade. A primeira relação no antigo testamento é justamente a questão da escravidão do corpo. Já em Jesus, a plenitude é a libertação também do pecado. Então, a relação é justamente essa: o mandamento visa salvaguardar a liberdade que os filhos de Deus adquiriram. Portanto, ele deve ser vivido justamente com essa mentalidade, que ao se reunir na igreja para celebrar a Eucaristia, seja nas comunidades onde acontecem apenas a celebração da palavra ou até mesmo nas comunidades mais distantes, onde as pessoas se reúnem para rezar espontaneamente e, ao resguardar o domingo e esse mandamento, elas estão automaticamente resguardando a si e aquilo que é o principal, que é o amor de Deus.

Qual mensagem o senhor passa para os devotos de São Sebastião para que continuem vindo durante essas sete noites de dezenário?

Frei Smaley Sarmento: Que ao olhar para o exemplo de São Sebastião, possam se aproximar cada vez mais para aproveitar todos os momentos, sejam os momentos celebrativos, festivos, mas também aqueles que são mais sociais com tudo o que está relacionado ao Padroeiro. É um bom momento de vocês se voltarem para a figura desse grande mártir, que deu seu testemunho eloquente, que atravessa séculos e séculos e continua muito atual, sobretudo nos dias de hoje, em que a gente, de certo modo, na realidade em que vivemos, não temos tantas perseguições cristãs ao ponto de levar ao martírio, ao derramamento de sangue. Porém, isso nos lembra também que, em outras realidades, o cristianismo não tem essa liberdade que nós temos. Então, é um bom momento de nos voltarmos a esse grande mártir, São Sebastião, pensar sobre a nossa fé, nossa vivência, agradecer a Deus porque vivemos, de certo modo, momentos de paz e rezar por nossos irmãos e irmãs de outras regiões que não têm essa mesma possibilidade que temos!